Resenha do livro: O que há de estranho em mim

  Título Original: Sisters in Sanity
  Nome dos Autores: Gayle Forman
  Número de Páginas: 224
  Editora: Arqueiro
  Nota Pessoal: 4/5

Sinopse:
Ao internar a filha numa clínica, o pai de Brit acredita que está ajudando a menina, mas a verdade é que o lugar só lhe faz mal. Aos 16 anos, ela se vê diante de um duvidoso método de terapia, que inclui xingar as outras jovens e dedurar as infrações alheias para ganhar a liberdade. 

Sem saber em quem confiar e determinada a não cooperar com os conselheiros, Brit se isola. Mas não fica sozinha por muito tempo. Logo outras garotas se unem a ela na resistência àquele modo de vida hostil. V, Bebe, Martha e Cassie se tornam seu oásis em meio ao deserto de opressão. 

Juntas, as cinco amigas vão em busca de uma forma de desafiar o sistema, mostrar ao mundo que não têm nada de desajustadas e dar fim ao suplício de viver numa instituição que as enlouquece.

Heey, tudo bem?
    Nesses dias fiz um acordo com um amigo: terei que ler 4 livros e fazer a resenha deles e quando terminar ganharei o livro que eu escolher. Vocês serão as minhas testemunhas haha.
    Os livros do acordo são: O que há de estranho em mim; Confissões de uma garota excluída, mal amada e (um pouco) dramática; Eu me chamo Antônio; Segundo eu me chamo Antônio.
    Bom, como já disse anteriormente, estou lendo os livros no bus de volta pra casa, li este em dois dias, como podem acompanhar no meu perfil do Skoob . No começo não gostei muito da personagem principal... Mas no desenrolar da estória ela vai amadurecendo, contudo, só no final que mostra todo seu potencial. 
    Brit tem uma vida feliz, com pai e mãe atenciosos e que a amam, mas tudo muda quando sua mãe fica esquizofrênica e foge. O que a deixa abalada, mas ela segue a vida, tocando em uma banda... Porém seu pai se casa novamente e sua madrasta é uma Monstra que não gosta dela e faz de tudo para estragar sua vida... Algo que achei bem exagerado, bem drama de adolescente e tem folhas e folhas de reclamações...
   Ela é mandada para uma "escola" onde deveria ser ajudada em seus "transtornos", mas as meninas que estão "internadas" lá não são tratadas bem, pelo contrário, sofrem com as técnicas abusivas de tratamento. Mesmo com todas as dificuldades, espionamentos e níveis, Brit faz amizade com V, Bebe, Classie e Martha que são sua válvula de escape do inferno que vive em Red Rock...
    Confesso que me apeguei um pouco a ela e ficava na torcida para que tudo desse certo, mas esse livro é um pouco tedioso, cheio de reclamações, das mesmas reclamações. Não era o que eu esperava mas gostei! Vocês já leram? O que acharam?

Quote: " Naquele momento de maior fraqueza,
Quando você se encontra abatida
E não consegue enxergar com clareza,
Achando que não há mais saída,
Que não tem mais gás,
Antes de ceder à escuridão,
Se você olhar para trás,
Vai encontrar a minha mão." (Pág.: 79)

Compartilhe!

Deixe seu comentário!

2 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Quando este livro foi lançado fiquei bastante curiosa ( a capa dele é linda), mas ao reler a sinopse e sua resenha, acabei perdendo um pouco do interesse, pois creio que esta repetição do assunto deixe o livro lento e sem adentrar sobre o assunto que poderia ser interessante como problemas psicológicos (depressão ou algo sobre esta temática). Mas adorei conferir sua resenha, esta simples e bem escrita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Michelli, duas coisas que me chamaram atenção inicialmente foram o título e a capa. Mas como disse na resenha, achei meio tedioso, esperava mais. Também acharia interessantes se o foco fosse problemas psicológicos, como você disse. Obrigada pela visita <3

      Excluir

Dávila Vasconcelos. Tecnologia do Blogger.